Câmara de Tecnologia desenha segundo painel sobre compras públicas

A Câmara de Tecnologia aproveitou a reunião ordinária desta quinta (23/05) para montar o painel sobre os desafios e casos de sucesso para a implementação das compras públicas no Rio de Janeiro, que será realizado em junho. Esse será o segundo encontro sobre o tema. Em setembro de 2023, o grupo debateu a promoção das compras públicas, aproveitando o poder de compra do Estado para o fomento da ciência e desenvolvimento tecnológico.

De acordo com o presidente do Conselho Empresarial de Inovação, Transformação Digital e Tecnologia da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) Julio Urdangarin, seria importante contar com um representante do Laboratório de Inovação do Ministério Público no painel.

“A gente precisa estimular que o governo utilize as compras públicas de solução inovadora e o MP e o TCU são órgãos de controle que já fazem uso dessa modalidade que consta na lei de inovação e permite a contratação de startups para a solução de problemas públicos. Podemos chamar representantes do MP para falar nesse painel porque é um órgão que já está bem avançado aqui no Rio Janeiro dentro desse tema. Isso certamente irá estimular a participação das startups no debate”, salientou.
Ainda segundo ele, um relatório da Associação Brasileira de Startups (Abstartups) de 2023 apontou que somente 3% das startups do país têm algum tipo de contrato com o governo, enquanto 78% afirmaram que gostariam de trabalhar e firmar contrato com os órgãos públicos.

“As startups alegam que há uma burocracia excessiva, além de uma insegurança jurídica para participar dos processos de compras públicas”, detalhou.

Também serão convidados para compor o painel, representantes da Agência de inovação da UERJ, do Parque tecnológico da UFRJ, além do especialista e Assessor especial na Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), André Rauen.
Na ocasião, os membros também sugeriram temas para serem debatidos no segundo semestre, como o ecossistema de inovação e o projeto de lei 2338 de 2023, que dispõem sobre o uso de Inteligência Artificial.

“Podemos fazer um recorte de como o Rio de Janeiro pode se preparar para criar medidas de incentivo para se consolidar como um polo de empresas de desenvolvimento de capacitação de pessoal na área de Inteligência Artificial em vez de discutir apenas a regulação”, concluiu o representante da Associação de Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro RJ), Marco Túlio Castro.

Assista à reunião na íntegra no Canal do Fórum no Youtube